NOTÍCIAS
4 de Outubro de 2017
Portugal na mira dos investidores imobiliários espanhóis
Há cada vez mais promotores imobiliários espanhóis a investir em Portugal. Primeiro as notícias sobre a Via Célere, uma companhia imobiliária especializada na promoção, desenvolvimento e gestão de ativos residenciais que decidiu investir em território português, e logo depois sobre o Andbank España, que lançou um veículo de investimento imobiliário para fazer o mesmo.
 
Mas Portugal não está apenas na “rota” dos investidores do país vizinho. De acordo com o secretário-geral da Associação Portuguesa de Promotores e Investidores Imobiliários (APPII), Hugo Santos Ferreira, mais de 30% dos associados são já investidores estrangeiros, entre espanhóis, franceses ou ainda brasileiros.
 
Empresas escolhem Portugal como destino de investimento
 
O primeiro projeto da promotora espanhola Via Célere arrancará em 2018, na zona residencial e comercial de Oeiras, e contempla a construção de até 276 casas, como avançou o idealista/news. O terreno pertencia à espanhola Dospuntos, agora integrada na Vía Célere. Para o presidente da empresa, Juan Antonio Gómez-Pintado, ”este é o momento adequado para avançar com o desenvolvimento de novos projetos em Portugal". "Dado o seu crescimento económico sustentado e a crescente confiança e capacidade de compra dos seus consumidores", explica.
 
Também o Andbank, entidade especializada em banca privada, decidiu criar um veículo imobiliário para investir 50 milhões em Portugal, sobretudo em ativos prime na zona de Lisboa. O Andbank justifica a aposta no mercado imobiliário português com os incentivos fiscais do país na área da reabilitação urbana, os regimes estáveis para investimentos depois da última reforma da lei do arrendamento, a par da vasta oferta de edifícios com necessidade de ser renovados e a forte procura de compradores, tanto nacionais como estrangeiros.
 
Quem também está a investir em Portugal é a gigante Merlin Properties, que comprou um edifício emblemático de escritórios por 60,3 milhões de euros. O imóvel, localizado no coração financeiro de Lisboa, que tem uma área de 12.460 metros quadrados (m2), distribuídos entre escritórios e retalho, e inquilinos como o Novo Banco e a McKinsey.
 
Mas a lista continua. A Ores, que lançou o Bankinter e a empresa imobiliária local Sonae Sierra, atua no mercado de ações há mais de meio ano e já tem alguns ativos localizados em Portugal.  
 
APPII defende mercado imobiliário ibérico
 
O secretário-geral da APPII revela, ao Jornal Económico, que a associação tem sido defensora de um mercado imobiliário ibérico. "Temos vindo a estreitar relações com os nossos homólogos espanhóis, entidades com quem temos hoje uma grande proximidade e colaboração intensa, bem como temos vindo a apostar muito em setores como o de Madrid e Barcelona, cidades onde nos deslocamos com preferência para promover o nosso mercado imobiliário e captar novos investidores", diz Hugo Santos Ferreira. 
 
O responsável mostra-se satisfeito com o dinamismo que o mercado está a viver e relembra que no passado, no setor imobiliário, se assistiu à vinda de muitos estrangeiros, desde a vaga dos suecos à vaga dos brasileiros, entre outros. Contudo, acredita que Portugal está a viver uma situação diferente na atualidade. "Penso que será a primeira vez que se regista a pujança dos dias de hoje e de tantas e tão diversificadas geografias. O setor imobiliário está, de facto, a viver um momento muito positivo", sublinha.
 
Fonte: Idealista/news
« Voltar

Ao navegar neste site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informaçõesAceitar

Cookies

 

Fechar